terça-feira, março 28, 2006

Livre das garras do sucesso

Miguel Bispo dos Santos sempre esteve muito envolvido com a música secular, especialmente do tipo rock. Vivia longe de Deus e buscava simplesmente a fama e o dinheiro. Até que percebeu que essas coisas, em última instância, não trazem a verdadeira felicidade e a esperança. Descobriu algo mais importante para sua vida e tomou outro rumo, abrindo mão de tudo o que o sucesso poderia lhe oferecer. Nesta entrevista, concedida a Michelson Borges, o autor do livro Livre das Garras do Sucesso (Casa) fala um pouco dessa experiência:

Fale um pouco de sua vida antes de conhecer o evangelho.

Fui criado em lar cristão e descobri desde cedo que tinha o dom de compor. Escrevi muitas letras de músicas de diversos estilos. Dos 13 até os 18 anos, preparei mais de 300 músicas, chegando a gravar duas fitas. As pessoas ao meu redor acreditavam mesmo que eu teria um futuro promissor no mundo musical. E eu também acreditei que isso era de fato importante.

Como seu interesse pela música rock foi despertado e que influência ela teve em sua vida?

Nos anos 1980 passei a admirar a música rock’n’roll. Não o rock pesado (heavy metal). Gostava de algumas bandas nacionais, mas nunca me identifiquei com o tipo de admirador que se deixava influenciar, a ponto de deixar os cabelos exageradamente crescidos, de fazer tatuagens no corpo, usar drogas, ou ser “fã de carteirinha”. Felizmente, conseguia ter equilíbrio, discernimento e, ao mesmo tempo, prestava atenção nas letras e não me deixava levar por suas propostas.

Fale sobre sua conversão.

Foi algo surpreendente. Eu acreditava que um dia conheceria o infinito ou que aceitaria a existência de um Deus poderoso, pois o pouco que aprendi na Igreja Batista, que freqüentei por algum tempo, me ajudou a ter cuidado e direção. A frase bíblica que mais me marcou foi: “Se Deus é por mim, quem será contra mim?”

No fim dos anos 1980, minha vida começou a ser direcionada mais ainda para a verdade. Lembro que, aos 13 anos, compus um louvor sobre a volta de Jesus, depois de ter sonhado com Ele me salvando, voltando e me chamando. Com efeito, a onisciência de Deus é real, pois está escrito: “Senhor, Tu me sondaste e me conheces. Tu conheces o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.” Salmo 139:1 e 2. Não é da vontade de Deus que as pessoas se percam.

Minha conversão aconteceu num momento em que eu estava com 18 anos e começava a colher os frutos da dedicação à música popular brasileira (MPB). Fui convidado a escrever letras de música para uma banda de rock recém-organizada e que se preparava para gravar seu primeiro disco por uma gravadora. Foi aí que tive de tomar uma grande decisão. Orei a Deus pedindo orientação, ou seja, se eu deveria ou não assinar o contrato. A voz que me falou à consciência foi a resposta de Deus: “Miguel, aqui não é o seu lugar. Eu não quero você aqui.” Cumpriu-se, então, a Palavra do Senhor: “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida.” Gênesis 50:20.

Depois disso, passei a procurar uma religião. E ao conhecer a verdade, fui abordado por Satanás que tentou de tudo, desde a fama até o poder no mundo da música, para que eu não aceitasse Jesus. Travou-se em mim a renhida batalha entre o bem e o mal. Graças a Deus, o bem venceu!

(Para mais informações, recomendo a leitura do livro Livre das Garras do Sucesso.)

Por que o estilo de música rock é incompatível com o cristianismo?

Luz e trevas não se misturam. De 1950 para cá, se constatou que em todo o mundo os guitarristas usam o artifício hipnotizador e ultradançante, do sistema chamado riff de guitarra. Com ele, as mentes são alvo fácil. Esse sistema contribui para a popularização de vários grupos musicais e os jovens se acham indefesos contra os efeitos dessas músicas. Em Salmo 1:1 está escrito: “Felizes são aqueles que não se deixam levar pelos conselhos dos maus, que não seguem o exemplo dos que não querem saber de Deus e que não se juntam com os que zombam de tudo o que é sagrado.”

Por que a música é tão poderosa em influenciar as pessoas, especialmente os jovens?

O poder da música em influenciar pessoas já vem de muito tempo. Aprendemos que Lúcifer fora regente do coro celestial até que se rebelou contra Deus, e ao ser expulso do Céu caiu com todo o seu conhecimento. Sendo assim, só existem dois espíritos inspiradores da música: o de Deus, Criador, e o de Satanás, criatura. Ou seja, a música é muito mais do que aquilo que se apresenta em um conservatório musical.

O nome rock’n’roll vem da gíria dos negros norte-americanos do início do século 20, que usavam a expressão rock’n’roll para falar do ato sexual. Ao que se sabe, o primeiro registro musicado dessa junção erótica dos verbos to rock (balançar) e to roll (rolar) está num blues gravado pelo cantor Trixie Smith, em 1922, intitulado “My daddy Rocks Me (With One Steady Roll)”, que se poderia traduzir mais ou menos assim: “Papai me balança (com um rolar ritmado)”. Essa conotação sensual se usava nas letras de rhythm’n’blues; era uma febre dançante dos anos 1940 que, ao quebrar a barreira racial e conquistar os adolescentes brancos, ganhou um novo nome: rock’n’roll. Quem a batizou foi o disc jockey (DJ) Alan Freed, principal responsável por essa popularização através de um programa de rádio. Ele estreou em 1951 com o nome de “The Moondog House” (A Casa do Cão-da-Lua), mas um processo do músico Louis “Moondog” Hardin, cuja canção “Moondog Symphony” havia inspirado o apelido, levou Freed a mudar o nome, em 1954, para “Rock’n’Roll Party” (Festa do Rock’n’Roll”). Mas o certo é que essa expressão, no entanto, já ganhara um significado mais amplo do que um ritmo sensual, dança agitada, com batidas fortes e para ser diversão ou entretenimento. Não seria mais apenas sexo, sexo e sexo.

Está aí a razão para que tais ritmos dominem milhões e milhões de jovens em todo o mundo. O rock veio de fontes turvas. O que parece ser uma diversão é, na verdade, uma profanação e idolatria.

Que critérios um cristão deve ter ao escolher que música ouvir?

Todos os que assistem à televisão, aos vídeos e aos DVDs, devem adotar o mesmo critério. Cumpre observar o que se acha revelado em Filipenses 4:8 e 9: “Por último, meus irmãos, encham a mente de vocês com tudo o que é bom e merece elogios, isto é, tudo que é verdadeiro, digno, correto, puro, agradável e decente. Ponham em prática o que vocês receberam e aprenderam de mim, tanto com as minhas palavras como com as minhas ações. E o Deus que nos dá a paz estará com vocês.”

Por que resolveu escrever um livro contando sua experiência?

Comecei as pesquisas em 1983; iniciei as palestras em 1988, e o livro foi lançado no ano 2000, pela Editora Tempos. Em 2003, foi editado pela Editora Adelfo; e em 2004, pela Casa Publicadora Brasileira, que então adquiriu os direitos de publicação. Escrevi o livro Livre das Garras do Sucesso porque nos meus 20 anos de ministério pessoal e voluntário vi a necessidade dos jovens, em particular, e a carência de uma obra específica sobre o assunto, em geral, para todos conhecerem a verdade sobre seus frágeis ídolos.

A experiência no trato com os jovens tem demonstrado que poucos deles sabem o fim trágico que tiveram os cantores e artistas, talvez por desconhecerem com quem estivessem lidando – o príncipe do mal. Esse inimigo tem levado muita gente à sepultura; pessoas que, se tivessem sido alertadas com maior ênfase, talvez ainda estivessem vivas, como eu, para testemunhar da libertação encontrada em Jesus.

Creio ser útil e interessante observar a letra da música I Still Haven’t Found What I’m Looking For (Ainda não encontrei o que estou procurando), da banda irlandesa U2, que em fevereiro deste ano esteve no Brasil, alegrando seus fãs, como o faz em todo o mundo. Ei-la:

Eu subi as mais altas montanhas,
Eu corri através dos campos
Só para estar com você.

Eu corri, engatinhei,
Eu escalei estas muralhas da cidade
Só para estar com você,
Mas ainda não encontrei
O que estou procurando.

Eu beijei lábios de mel,
Senti a cura nas pontas dos dedos dela.
Ardia como fogo, esse desejo ardente.
Eu falei na língua dos anjos,
Eu segurei a mão do diabo.


Estava quente a noite
E eu frio como uma pedra,
Mas ainda não encontrei
O que eu estou procurando.

Eu acredito no Reino dos Céus,
Quando todas as cores sangrarão
Fundindo-se em uma só,
Mas, sim, continuo correndo.
Você partiu os elos,
Você afrouxou as correntes,
Você carregou a cruz
E a minha vergonha
Você sabe que acredito nisso,
Mas ainda não encontrei
O que estou procurando.


O cerne da questão é saber onde procurar e a quem se dirigir.

Onde? “E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus. Pois toda a Sagrada Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver.” II Timóteo 3:15 e 16.

Quem? “O Senhor Deus diz: ‘Venham cá, vamos discutir este assunto’.” Isaías 1:18.

Onde? “Porque tudo o que está nas Escrituras foi escrito para nos ensinar, a fim de que tenhamos esperança por meio da paciência e da coragem que as Escrituras nos dão.” Romanos 15:4.

Quem? “Eu, só Eu, sou o Senhor, somente Eu posso salvar vocês.” Isaías 43:11.

Onde? “A Tua Palavra é a verdade.” João 17:17.

Quem? “Escutem-Me e venham a Mim.” Isaías 55:3

Onde? “A erva seca, a flor cai, mas a Palavra do nosso Deus dura para sempre.” Isaías 40:8.

Quem? O Senhor diz: “Guiarei os cegos por um caminho que não conhecem, por uma estrada que eles nunca pisaram antes. A escuridão que os cerca Eu farei virar luz e aplanarei os caminhos ásperos. São estas as Minhas promessas, e Eu as cumprirei sem falta. Mas serão derrotados e humilhados todos os que confiam em ídolos, todos os que dizem às imagens: ‘Vocês são os nossos deuses’.” Isaías 42:16 e 17.

A verdadeira sabedoria é dom de Deus: “Donde, pois, vem a sabedoria, e onde está o lugar do entendimento?” “Só Deus conhece o caminho; só Ele sabe onde está a sabedoria.” “E Ele disse aos seres humanos: ‘Para ser sábio, é preciso temer o Senhor; para ter compreensão, é necessário afastar-se do Mal.” Jó 28:20, 23 e 28.

“Mas se alguém tem falta de sabedoria, peça a Deus, e Ele a dará porque é generoso e dá com bondade a todos.” Tiago 1:5.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails