terça-feira, novembro 13, 2007

Uma vida de louvor

David Wesley Silva nasceu em Rondonópolis, MT, em 24 de abril de 1970. Bacharel em Composição pela Universidade de São Paulo (USP), é maestro, produtor musical e regente. Fundou a produtora SOMMUS Assessoria & Marketing. Casado com Stefania Ribeiro Silva, tem três filhos: David Wycleff, de 5 anos; Steven Daniel, 3; e Ian Victor, 1. Nesta entrevista, concedida a Michelson Borges, fala sobre carreira, testemunho, estilo de vida, milagres e, claro, música.

Fale um pouco sobre o seu trabalho.

Dirijo quatro corais: o do SBT, da TetraPak, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e o Chorus Dei, da igreja do Iasp. Produzimos CDs, criamos comerciais, jingles e spots para várias empresas. Tenho uma agenda que, excetuando os corais, muda sempre. O que mais requer do meu tempo é o Chorus Dei, que é instrumento de união da nossa igreja e de crescimento musical e espiritual. Sobrando um tempinho, viajamos pelo Brasil cantando ou pregando.

Como evangelizar no ambiente de trabalho sem ser agressivo ou inconveniente?

Por exemplo, no SBT o clima de exaltação dos egos na tela acaba muitas vezes passando para alguns colaboradores e departamentos. Mas o coral é para unir as pessoas. Ter aquele tato de Jesus, aquela palavra e jeito certos, é nosso desafio. Sei que, se Ele conseguiu, foi para me mostrar que também posso. Então, meu segredo é: eu oro com eles! Vou direto à fonte! Desde o primeiro dia, no estúdio do Ratinho, convidei todos para uma prece. Desde então, há sete anos, todas as semanas oramos lá. Peço ao Senhor proteção e sabedoria. Dois anos atrás, o SBT teve muitos cortes. Cortaram todos os projetos do RH, menos o coral. Muitos falaram: “Só por Deus, maestro!” Oramos todos juntos agradecendo.

Mencione outro resultado feliz dessa sua postura missionária.

Montei um concerto no Teatro Imprensa, em São Paulo. Centenas de pessoas puderam ouvir sobre 1 João 4:8, entre as músicas. Foi poderoso! Entre todos os que nos aplaudiam em pé, estavam Cynthia Abravanel e a cúpula do SBT. O mais marcante, para mim, foi que após me trocar, quis dar uma última palavra com cada um. Na coxia, vi o coral do Hospital Alemão abraçado, em círculo. Cheguei perto e os abracei. Estavam orando! Fui até o coral do SBT e, de mãos dadas, já tinham orado! A secretária do Sílvio Santos me disse: “Maestro, se não fizéssemos nossa prece, talvez desafinássemos tudo.” Oraram sem minha ordem! Saí emocionado, vendo que eles já tinham aprendido a buscar na Fonte. Já aconteceu de eu esquecer de orar e eles me cobrarem.

O fato de ser filho de pastor teve alguma influência em sua motivação missionária? A religião do lar é importante nesse sentido?

Sim. Meu pai, o pastor Aurélio, foi missionário no antigo Mato Grosso e no interior de São Paulo. Cresci ouvindo lindas histórias de como Deus agiu na vida dele e das igrejas. Vi seu trabalho, seus valores, o culto doméstico; ele era bem firme. Agradeço a Deus pelo lar em que nasci. Minha mãe, professora Therezinha, foi sempre líder também, orientadora, diretora de escolas. Os dois realizaram muitas proezas. Aos 11 anos, fui para o IAP, depois Iasp e IAE-SP (hoje Unasp). Colportei nove férias. Tudo isso me moldou. Cresci falando que seria pastor.

E por que decidiu ir para a música?

Estudei piano desde os 9 anos, mas só no 3º colegial o Senhor me mostrou que era a música. Como Deus me pôs na USP, é uma história maravilhosa! E enquanto eu desfrutava da maior universidade do país, decidi agradecer dedicando-Lhe meu futuro.

Como foi seu tempo de estudante na universidade? Enfrentou algum tipo de luta para manter seus princípios cristãos?

Lá dentro, tive testes com o sábado, ideologias, festas, etc. Nunca tinha estudado numa escola não-adventista. Foi um choque! Escolhi dizer “Não, obrigado” para muitas coisas. Um professor ateu pensava que o ciclo semanal já estava alterado. Estudei a fundo e provei que não. Ele passou a crer no sábado bíblico.

Como você avalia as tendências atuais na música adventista?

No Brasil, nossa música é famosa pela qualidade. Tenho a alegria de fazer parte da geração de músicos que colocou a música adventista no topo da qualidade artística. Agora tenho duas questões: (1) O meio evangélico sobrepujou nossa liderança em quantidade e já empata conosco em qualidade técnica. É só ouvir as rádios. Agora somos tentados a copiar “as outras nações” e usar suas fórmulas de sucesso. Mas nunca nos destacaremos assim. E aí? Para onde ir? Quem fará o contra-ponto? Precisamos buscar a aprovação do Senhor. No que Ele aprova, há o selo do Espírito. Peço isso sempre. (2) A música vocal adventista está sendo invadida com um jeito ardente, sensual. Minha formação e especialização são nas áreas de Composição e Canto. Algumas técnicas vocais são sensuais, sim. Utilizá-las em música romântica, soul, blues, ainda vá lá... Mas, no púlpito?! Amy Grant, depois Patti Cabrera, Jaci Velasquez e agora “pegou” ao redor do mundo. Já são muitos cantando desse jeito. Isso é emoção, mas pensam que é o Espírito! Que a música protestante sempre copiou os estilos do mundo, desde Lutero, isso é um fato; mas Deus nunca nos chamou para copiar as outras igrejas. Nossa mensagem e chamado são diferentes e únicos – nossas apresentações não deveriam ser?

Em sua opinião, que tipo de música é mais adequado para o louvor a Deus?

A música é meio “terra de ninguém”. Todo mundo opina e acha que Deus tem o mesmo gosto seu. Já sofri com críticas cruéis. Por isso não quero julgar ninguém. Sei que todos precisamos nos reavaliar. Minha esposa e eu descobrimos o que nos interessa: não queremos cantar sobre o poder, sem o poder! Muitas vezes, um lindo arranjo esconde a pobreza da música. Mas é mais difícil uma bela voz esconder a falta de poder. Então, podemos cantar um hino e não ter poder algum. E podemos cantar uma composição atual e perceber o poder do Céu, pela comunhão do compositor, intérprete. Essa comunhão ou não de cada músico transparece na hora da sua ministração. A maioria dos adoradores adventistas percebe quando um músico interpreta trazendo glória para o Criador ou para si mesmo. Mas sei que, em breve, nem esse critério será seguro, dada a contrafação de poder que ao inimigo será permitido fazer.

Você também é conhecido como um propagador da reforma de saúde. Que relação vê entre esse assunto e a vida cristã? Como pregar equilibradamente sobre isso?

A Bíblia é nossa regra de fé e prática. Tudo tem que partir dela. Daniel é o único livro selado para os últimos dias. Nossa igreja nasceu com a abertura desse livro. Por que Deus pôs o estilo de vida bem ali, no primeiro capítulo? Ele sabia que precisaríamos dessa primeira lição para abrir nossa mente às aulas seguintes. Seguir a conexão que Daniel faz ali com o Éden, revolucionou nossa alimentação, corpo, mente, tudo! Falamos em três canais de TV, rádio, dos maravilhosos resultados. Daniel foi o primeiro pós-diluviano que apostou na dieta original. O resultado? Dez vezes mais! Será que Gênesis 1:29 seria perfeito para nós também? Não dávamos atenção ao relato da alimentação no Éden por vivermos após o pecado. Mas Daniel deu.
Resolvemos começar um programa prático sobre a Reforma de Saúde com o Chorus Dei, no Iasp. Programas, palestras com profissionais, cursos de culinária, lançamos o site www.dietaoriginal.com.br, com muitas receitas inéditas, fundamentos bíblico-científicos, etc. Muitos ficaram livres de várias doenças. Neste ano, até o Maestro Neschling, da Sinfônica de São Paulo, implantou na orquestra a alimentação natural, exercícios, etc., porque quer cada músico mais saudável também. Contratou o médico naturalista Dr. Alexandre Feldmann. O mundo está enxergando, e se deixarmos de proclamar essa luz que é nossa, o mundo nos ultrapassará. As pedras clamarão.

Meses atrás, você e sua esposa passaram por uma experiência dramática relacionada com seu filho mais novo. O que houve?

Após levantarmos a bandeira da Reforma de Saúde, o inimigo nos atacou. Ele quis destruir nossa família pela parte mais frágil: o Ian Victor. Com apenas seis meses, ele teve, de repente, baixa sérica sanguínea total. Nada conseguia subir o nível das plaquetas, imunologia, etc. Na UTI da Unicamp, por duas vezes ele quase morreu. Encaminharam-nos para o Boldrini (referência internacional em hematologia), quando diagnosticaram Mielodisplasia, doença grave que estraga a produção da medula: as células fabricadas saem deformadas. A cura, só por quimioterapia e transplante de medula óssea, o mais rápido possível. Esperávamos no Senhor, e Ele nos dava promessa de livramento a cada madrugada (era a Palavra dEle em jogo), mas o menino só piorava.

Dias depois, antes de começar a quimioterapia, nos deram “alta” porque em 36 horas o sangue dele tinha subido de 30 mil plaquetas para mais de 280 mil, quase dez vezes mais! Três dias depois, pediram retorno: as plaquetas tinham ido para 614 mil, 20 vezes em apenas cinco dias! O Hb subiu dois pontos em cinco dias! A Dra. Sílvia Brandalise, fundadora do Boldrini, mandou escrever no prontuário dele: “Nós não temos explicação para a recuperação espetacular do Ian Victor.”

Como o apóstolo Paulo, “presos para testemunhar para muitos na capital” da saúde, na nossa região. A história correu. Se tivéssemos levantado, ensinado e vivido uma mentira, jamais teríamos a aprovação do Criador, muito menos de forma milagrosa! Fomos lançados na “fornalha ardente”, mas Jesus caminhou conosco. Saímos ilesos pelo poder de Deus que julga tudo.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails