segunda-feira, maio 18, 2015

Criacionismo, ciência e religião

Entrevista concedida pelo jornalista e mestre em teologia Michelson Borges a Rafael Lopes (professor de Física do IFMA, mestre e graduado em Física pela Universidade Federal do Maranhão e doutorando em física pela USP), Felipe Forti (estudante de teatro e criacionista progressivo), Camilli Martins (pré-vestibulanda de Joinville que está em São Paulo há três anos) e Tales Moura (advogado em São Paulo). O programa foi realizado na Igreja Adventista Central Paulistana, no dia 16 de maio de 2015, às 18h. As perguntas foram feitas ao vivo pelos quatro participantes, com interação do auditório.

Camilli: Existem evidências do dilúvio? A genealogia pós-dilúvio é compatível, no tempo, com a quantidade e diversidade de etnias que existem hoje?

Existem várias evidências. Vou mencionar apenas cinco: (1) Praticamente metade dos sedimentos continentais são de origem marinha. (2) A abundância de fósseis em todo o mundo, como os fósseis de peixes encontrados em Crato, no interior do Ceará, na Chapada do Araripe, ou mesmo os fósseis de baleias encontrados em Pisco, no Peru, a 30 km do litoral, ou no deserto do Atacama, no Chile. (3) As evidências de que muitos dinossauros fossilizados morreram afogados, em agonia, sufocando. (4) Os estratos plano-paralelos na coluna geológica, que sugerem enorme deslocamento de sedimentos e uma estratificação rápida. (5) A existência de relatos de uma grande inundação preservados em mais de 200 culturas espalhadas pelo mundo.

Quanto à diversidade de etnias, acredito que o tempo após o dilúvio foi suficiente para essa diversificação. Mutações, seleção natural e isolamento geográfico podem muito bem explicar essa diversificação que, no entanto, foi bem limitada. Em bem menos tempo, mas com uma “mãozinha” humana, foi possível causar modificações bem mais acentuadas em cães e gatos, por exemplo.

Tales: Rolam pela internet, no YouTube, alguns vídeos que noticiam terem encontrado a arca de Noé. Mostram fotos tiradas por pilotos de avião de quando sobrevoavam um local, durante a guerra, que viram um pedaço de madeira de um barco. Após alguns anos, expedições foram feitas no local e há os que afirmam terem encontrado a arca congelada. Alguns cristão dizem que a arca seria encontrada no tempo do fim. Isso tudo é verdade? Se for, por que não há uma repercussão maior?

Por enquanto, quanto eu saiba, é tudo muito especulativo. Muitas dessas “evidências” são apresentadas no livro Em Busca da Arca de Noé, de Dave Balsiger e Charles Sellier. Mas parece que nada daquilo foi realmente confirmado. O Ararate fica numa região muito conturbada. Guerrilheiros curdos dificultam muito a vida dos pesquisadores e a área é coberta de gelo praticamente o tempo todo. Além disso, a Bíblia não identifica em que montanha daquela região a arca pousou. Mas, teoricamente, levando em conta a resistência da madeira de gofer ou cipreste, resistente a pragas e ao apodrecimento, e o clima frio da região em que está o Ararate, talvez tenha sido possível a preservação da arca ou de parte dela. Quem sabe possamos ter alguma surpresa no futuro, com novas expedições e com o degelo das montanhas...

Tales: De acordo com o teste do Urânio-238, a Terra tem 4,5 bilhões de anos. Pelo relato bíblico, a terra tem cerca de seis mil anos. Como é possível essa diferença? Qual tempo está certo?

O princípio do funcionamento dos “relógios radioativos” depende, fundamentalmente, da determinação da relação existente entre a quantidade de um determinado elemento radioativo na formação do material a ser datado, como o urânio, e da quantidade de outro elemento formado (supostamente ausente na formação do material) por decaimento radioativo, como o chumbo. O grande problema com esses “relógios”, por mais lógicos que sejam, é que não temos como determinar dois fatores muito importantes: (1) a quantidade de elementos “pai” e “filho” na amostra no início, e (2) as taxas de decaimento radioativo ao longo do tempo.

É bom saber, também, que existe grande variação de um método de datação para outro. Há grande diferença no tempo de decaimento dos elementos radioativos. Enquanto o Urânio-238, por exemplo, tem meia-vida de 4,5 bilhões de anos, o Urânio-235 tem meia-vida de 0,7 bilhão de anos. O Tório-233 tem meia-vida de 14,1 bilhões de anos. A meia-vida do Rubídio-87 é de 47 bilhões de anos, e do Potássio-40, 1,3 bilhão de anos. De posse desses resultados, os evolucionistas resolveram que o Urânio-238 era o mais adequado à sua teoria. 0,7 bilhão de anos era pouco; 47 bilhões já era muito. Convencionou-se, então, 4,5 bilhões de anos. No fim, foi mais uma questão de escolha.

Quanto à idade da Terra pela ótica criacionista, não há certeza absoluta se ela (o planeta e seus constituintes inorgânicos) tem realmente seis mil anos ou se poderia ter bilhões. Nesse quesito, os criacionistas se dividem basicamente entre criacionistas da Terra jovem e criacionistas da Terra antiga. E parece existir evidências para ambas as visões. O que os criacionistas bíblicos praticamente não discutem é a idade da vida na Terra: cerca de seis a dez mil anos.

Rafael: Em sua opinião, como devem os cristãos hoje se relacionar com a teoria do big bang?

A teoria do big bang tem implicações teológicas, já que estabelece um começo para o Universo, um ponto inicial no tempo e no espaço. Como tudo o que tem começo precisa de uma causa, qual teria sido a causa atemporal e imaterial que teria dado origem ao cosmos? O que ou quem teria sido essa primeira causa não causada? Mas o big bang ainda não é uma teoria consensual. Há questionamentos ao modelo. E um deles tem que ver com a constatação de que já havia galáxias e outros corpos celestes “adultos” há 12, 13 bilhões de anos. Isso não combina com o modelo de um Universo imaturo que foi evoluindo ao longo do tempo. Algumas teorias cosmológicas têm sido questionadas atualmente, como é o caso da velocidade da suposta expansão do Universo e a teoria da formação dos planetas.

Tales: Em 1859, Charles Robert Darwin lançou o livro A Origem das Espécies. A teoria da evolução apresentada por ele nesse livro foi inédita ou é uma ideia antiga? Existem incoerências na teoria? Ela é provada ou precisa de fé para crer?

Na verdade, o avô de Charles, Erasmus Darwin, já defendia algum tipo de evolução. Mesmo os gregos antigos pensavam mais ou menos dessa forma. A grande “sacada” de Charles foi propor mecanismos para essa evolução: mutações e seleção natural. Ele agiu como um verdadeiro cientista, embora fosse formado em teologia. Partiu da observação para as conclusões. Mas acertou no varejo e errou no atacado. Ao observar a variação na plumagem e no formato dos bicos de uma passarinho chamado tentilhão, nas ilhas Galápagos, Darwin chamou a isso de evolução e pensou ter provado sua teoria. Mas o que fez foi apenas descrever variações de baixo nível causadas por seleção natural, algo com que criacionistas também concordam. Ocorre que todos aqueles pássaros observados por Darwin eram tentilhões, e nunca deixaram de ser.

Outro exemplo de diversificação de baixo nível que não prova a ideia da macroevolução são as experiências realizadas há mais de cem anos com as mosquinhas-das-frutas (Drosophila melanogaster). Por meio de mutações artificialmente causadas, tudo o que os cientistas conseguiram obter foi moscas com asas retorcidas, asas mais curtas e até sem asas. Nada de surgimento de um novo órgão funcional ou novo plano corporal. E por quê? Simplesmente porque informação complexa e específica não surge do nada. Mutações alteram a informação ou causam sua perda. Nunca fazem aumentar o patrimônio genético a ponto de originar novos órgãos funcionais.

A verdade é que até o título A Origem das Espécies está equivocado. Darwin explicou os mecanismos de diversificação nas espécies, mas não a origem delas. Explicou a sobrevivência do mais apto, mas não como esse mais apto se originou.

A ideia da macroevolução e da origem da vida continua sendo uma grande declaração de fé. Um assunto filosófico e não científico, pois o naturalismo filosófico não pertence aos domínios da ciência experimental.

Felipe: Como explicar o “DNA lixo” que aparentemente não tem função?

Essa lenda surgiu há quase 15 anos, quando o primeiro rascunho do sequenciamento do genoma humano foi publicado. Na época, os cientistas concluíram precipitadamente que apenas 2% das três bilhões de letras que compõem o genoma humano correspondiam a genes codificantes. Os outros 98% seriam o tal “DNA lixo”, aparentemente sem função, um suposto resquício da evolução. Dez anos e muitas pesquisas depois, confirmou-se que o apelido era jocoso e ignorante. O que teve que ser jogado no lixo foi aquela conclusão absurda. O que antes era chamado de “DNA lixo” hoje se sabe que possui funções essenciais no organismo.

Rafael: Devem as teorias científicas afetar nossa interpretação dos textos sagrados?

Depende. Gosto de uma afirmação de Ellen White em que ela diz que, corretamente compreendidas, tanto a ciência quanto a revelação estão em pleno acordo. Assim, se algum aspecto da ciência está em desacordo com a Bíblia, devemos pensar que isso decorre de uma compreensão equivocada de uma ou de outra. Existem alguns exemplos históricos, como o caso da afirmação bíblica de que a Terra está flutuando no espaço (Jó 26:7). Esse texto foi escrito por Moisés, há 3.500 anos. Ele aprendeu nas “faculdades” do Egito antigo que a Terra, além de plana, estava apoiada sobre cinco colunas, mas não registrou esse conhecimento “científico” nas páginas da Bíblia, pois estava equivocado. O mesmo tem acontecido na área dietética, por exemplo. As recomendações bíblicas têm sido confirmadas dia após dia por pesquisas mais acuradas.

Resumindo, eu diria que a ciência empírica não afeta nossa interpretação dos textos sagrados, pois está de acordo com eles. Mas algumas hipóteses estão em desacordo com o texto sagrado, porque pertencem mais aos domínios da ciência histórica, como é o caso da visão naturalista/darwinista sobre a origem da vida.

Tales: Recentemente, o papa Francisco foi discursar na Academia de Ciências. Lá ele se posicionou pela corrente evolucionista teísta, ou seja, disse que a teoria do big bang e o evolucionismo não contradizem a Bíblia, e que Deus não agiu na criação como um mago com varinha de condão. É possível a junção de ambas as teorias, criacionismo e evolucionismo?

Sim, desde que você abra mão da interpretação literal dos primeiros capítulos de Gênesis e abrace a teologia liberal defendida pelos católicos. Mas, se fizer isso, estará violando a coerência interna das Escrituras, desprezando doutrinas que dependem da criação literal (como é o caso da guarda do sábado e da redenção) e desprezando a opinião de criacionistas como Jesus e Paulo, por exemplo. Ambos fizeram referência a Adão e Eva como personagens históricos, reais e ao dilúvio como um fato histórico comparável à volta de Jesus. Além disso, se a árvore da vida mencionada em Gênesis é um mito, a árvore da vida descrita no Apocalipse, a que os salvos terão acesso, deixa de ter sentido também.

Creio em um Deus todo-poderoso que poderia ter criado a Terra em sete segundos ou em sete mil anos, mas escolheu fazê-lo em sete dias e deixou esse fato registrado nas Escrituras, celebrado por um dia, o sábado.

Felipe: Se a evolução fosse provada, você continuaria sendo cristão?

Não. Eu deixaria de ser cristão e me tornaria, quem sabe, agnóstico. Isso porque a ideia da macroevolução contradiz totalmente a cosmovisão bíblica. Não é possível acomodá-las. Para ser intelectualmente honesto, ou a pessoa abraça ou evolucionismo materialista ateu ou o criacionismo teísta bíblico.

Camilli: A ciência, enquanto construção humana, pode considerar o método científico como absolutamente puro de interferências subjetivas, como o contexto histórico e as humanidades do cientista?

O método científico é a melhor ferramenta de investigação do mundo já inventada pelo ser humano, mas, como tudo que é humano, é imperfeita e sujeita a subjetividades. Isso porque depende em grande medida da interpretação dos dados. Em bom exemplo disso é apresentado por Thomas Kuhn, em seu livro A Estrutura das Revoluções Científicas. Perguntaram a um físico e a um químico se um átomo de hélio é ou não uma molécula. Para o químico, é molécula, pois se comporta como tal do ponto de vista da teoria cinética dos gases. Para o físico, não é molécula, pois não apresenta espectro molecular. Assim, cada um deles definiu o que um átomo de hélio deve ser, segundo sua ótica, sua maneira de interpretar a realidade.

A verdade é que nenhum cientista consegue deixar fora do laboratório suas subjetividades – suas opiniões políticas, seus sentimentos, suas crenças. O método científico procura minimizar ao máximo isso, mas sempre haverá alguma subjetividade envolvida.

Tales: Em seu blog, na seção Digitais do Criador, você aborda alguns temas como: amebas gigantes geram dúvidas sobre evolução, cérebro tem banda larga, semente que voa, etc. Mas um em especial me chamou a atenção: “O radiador do tucano.” Como é isso?

Nessa seção do www.criacionismo.com.br procuro apresentar evidências de design inteligente na natureza. No caso do tucano, o bico serve como um verdadeiro “radiador”. Como é muito vascularizado, o bico dissipa o calor, no verão, e aquece, no inverno. Um radiador de carro consegue dissipar de 70 a 80% do calor do motor. O “radiador” do tucano tem uma eficiência de 100%. Em “Digitais do Criador” falo também do sonar do golfinho e do morcego, um sistema que funciona em ambas as espécies graças a um mesmo gene chamado prestina. Como explicar evolutivamente o surgimento de um sistema tão eficiente, com funcionamento igual em espécies tão distantes na suposta história evolutiva? Além disso, para inventar o sonar, o ser humano gastou muito dinheiro e usou muita inteligência. Mas o que ele fez foi simplesmente imitar um sistema que já existia e funcionava perfeitamente bem há milhares de anos. O original seria fruto do acaso enquanto a cópia, resultado de esforços inteligentes?

Rafael: Qual seria a melhor forma de harmonizar uma vida religiosa com uma boa formação científica?

O estudante criacionista deve andar duas, três, quatro milhas a mais que seus colegas. É importante que ele leia, além do conteúdo acadêmico, bons livros sobre ciência e religião, defesa racional da fé, arqueologia bíblica, criacionismo, etc. Isso para que possa responder adequadamente a toda pessoa que lhe perguntar por que pensa como pensa (atendendo ao desafio de 1 Pedro 3:15). A Bíblia e livros devocionais, que reforçam a comunhão com Deus, devem sempre estar à cabeceira. Com esse reforço intelectual/espiritual, o estudante criacionista estará pronto para enfrentar os desafios do campus e para ser um dos melhores alunos, com dedicação, esforço e responsabilidade. Isso porque de nada adiantará ser um bom “crente” e um mal aluno. Se está na universidade, é para estudar e dar bom testemunho. E esse bom testemunho passa pelo comportamento e pelo desempenho acadêmico.

Para mim, um dos melhores exemplos de compatibilização entre religião e ciência é Isaac Newton. A mesma dedicação que ele aplicou à pesquisa científica aplicou também ao estudo da Bíblia Sagrada. Tenho certeza de que ele “viu mais longe” exatamente por não ter desprezado estas duas ótimas ferramentas, estas duas ótimas lentes: a ciência e a teologia.

Camilli: O que realmente significa ter contato com Deus? Eu entendo que é uma questão muito pessoal, mas, pelo fato de ser pessoal, já faz desse contato uma percepção subjetiva, e se ela é subjetiva, como podemos simplesmente achar que o jeito como nós “percebemos” Deus é mais certo do que como outra pessoa diz que “percebe” Deus?

Não podemos depender apenas da percepção. Por isso temos a Revelação e temos que descobrir por que ela é confiável. Claro que precisamos “experimentar” Deus por nós mesmos; ter uma relação real e pessoal com Ele. Mas não podemos nos esquecer de que os sentimentos são um tanto vagos e até contraditórios, às vezes. Por isso precisamos da guia da Revelação. Devido às influências a que fomos submetidos na infância, às coisas que aprendemos de nossos pais e na escola, nossa visão de Deus pode variar grandemente em relação à visão de outra pessoa, de tal forma que podemos estar adorando deuses diferentes em nossa mente. Por isso precisamos de uma revelação dEle mesmo. Quem é Deus? Como é Deus? Gosto de ler Hebreus 1:1 e 2 porque esse texto me mostra que Deus tem muitas maneiras de Se revelar, inclusive por meio da ciência e da filosofia (Francis Collins e Antony Flew que o digam), mas a maior revelação dEle foi, sem dúvida, Jesus Cristo. Conhecer Jesus é conhecer Deus. E podemos conhecer Jesus por meio da oração e, sobretudo, dos Evangelhos.

Felipe: Você não acha que o debate criação x evolução e Terra jovem x Terra antiga tira algum foco da apologética como evangelística, já que existem vários teístas evolucionistas e criacionistas de Terra antiga? Quer dizer, não é melhor mostrar que Deus existe, independentemente do método que Ele usou? 

A menos que não se dê importância a doutrinas como o sábado e à mensagem de Apocalipse 14:6, 7, tudo bem. De fato, há muitos bons apologistas por aí, como William Craig, Alvin Plantinga, Lee Strobel, Nancy Pearcey, Alister McGrath, Frank Turek, Norman Geisler e outros, e admiro muito o trabalho deles. Mas há alguns “detalhes” da pregação de alguns desses eruditos que não estão de acordo com a Bíblia, como é o caso da defesa da santidade do domingo e da existência de um inferno eterno. Além disso, muitos desses apologistas são evolucionistas teístas, o que, como já vimos, contradiz as Escrituras. Se nos calarmos, quem mais vai defender a permanência do sábado como memorial da criação e dia do Senhor? Quem mais vai defender a criação em seis dias literais de 24 horas?

Respondendo especificamente a sua pergunta: se a discussão for exclusivamente sobre a idade da Terra e não da vida sobre a Terra, creio que realmente não precisamos alimentar essa polêmica. Mas se a questão estiver relacionada com a semana da criação, a vigência do sábado, a literalidade e historicidade de Adão e Eva e o dilúvio, aí, sim, creio que devemos erguer a voz em defesa do nosso ponto de vista bíblico. Se não o fizermos, quem mais fará?

Camilli: Qual é o oposto de fé? Seria a dúvida? Então, significa dizer que mesmo para um cristão é bom nunca ter uma fé absoluta, pois, quando paramos de questionar, deixamos de pensar, ou seja, podemos estar cometendo sérios erros?

Não acredito que o oposto de fé seja a dúvida. O oposto de fé é a desconfiança. Não é pecado ter dúvidas. Na verdade, são as dúvidas sinceras que motivam a busca. E Deus oferece respostas e certezas ao pesquisador sincero. Não oferece todas as respostas, mas o suficiente para que possamos crer. Depois de obter essas respostas e evidências de que Ele existe e cuida de nós, seria realmente falta de fé continuar duvidando. É mais ou menos como aquela esposa que durante muitos anos teve evidências de que seu marido a ama e lhe é fiel. Mas certo dia alguém lhe diz que viu o homem com outra mulher. Seria muito injusto essa esposa passar a desconfiar do marido por causa dessa única informação incompleta. O correto seria ela aguardar para saber dele a verdade. Desconfiar de Deus por causa de uma ou outra dúvida e desprezar todas as certezas é como desconfiar de um cônjuge fiel com base em apenas uma informação incompleta.  

quarta-feira, maio 06, 2015

Resistência na Ucrânia

Quando Svitlana Samoylenko nasceu, quatro anos antes da queda do Muro de Berlim, o comunismo dava seus últimos suspiros. Do fim daquele regime ela lembra pouca coisa, detalhes como a cor do uniforme escolar e a disciplina rígida ensinada às crianças. Natural de Kirovograd, Ucrânia, ela morou no leste do país, na cidade de Lugansk, até terminar os estudos primários. Se por décadas os adventistas de lá sofreram perseguição atrás da “cortina de ferro”, hoje a igreja é prejudicada pela crise política que divide o país, e os próprios membros, entre os separatistas pró-Rússia e os mais alinhados com a União Europeia. No fim de 2014, por exemplo, um pastor adventista foi sequestrado e solto semanas depois com vários problemas de saúde, pois foi deixado apenas com a roupa do corpo em uma cela, no meio do inverno, sem comida suficiente. Nenhuma razão foi dada para essa prisão. Apesar de viver no Brasil com o esposo que é pastor em Curitiba, e de estar geograficamente distante da Ucrânia, Svitlana carrega consigo a inspiração que recebeu das histórias contadas por seus pais e avós. Nesta entrevista, concedida ao jornalista Michelson Borges,ela fala um pouco sobre como sua família e a fé adventista sobreviveram sob o regime comunista.

Como foi sua infância na Ucrânia?

A Ucrânia é um dos maiores países da Europa e foi chamada de “cesta de alimentos” da ex-União Soviética. O país tem uma história interessante, pois fez parte de diferentes impérios em diferentes épocas, sem perder sua identidade e língua. Onde nasci, no leste, falávamos russo. Mas eu sei também ucraniano, por influência dos meus avós.

Minha infância foi bem normal. O ensino na escola tinha alto nível de cobrança, principalmente nas disciplinas de ciências e matemática. As aulas só eram canceladas quando a temperatura caía para 20 graus negativos. Como uma típica criança adventista, eu estudei violino em uma escola de música. Tínhamos aulas quase a semana toda.

O maior evento da minha infância foi a chegada dos pastores norte-americanos à Ucrânia, logo depois da queda da União Soviética. Os adultos estavam empolgadíssimos. Meu pai foi o motorista dos evangelistas, pois era o único que tinha um carro na vila. Eles trouxeram brinquedos de pelúcia, que não existiam na época, além de adesivos e lápis de cor, com cores e formas que nunca havíamos visto.

Seu avô foi pastor na época da URSS. Foi difícil para ele?

Como os outros pastores, ele tinha seu emprego normal durante o dia e exercia seu ministério à noite, sem receber salário por isso. Antes de a minha mãe se casar, ela mudou de casa onze vezes, pois, quando alguém na cidade em que moravam descobria que eram cristãos, meu avô era ameaçado. Algumas vezes, no mesmo dia em que chegava a uma cidade, ele já recebia um recado: tinha que deixar o lugar em 24 horas.

Meus avós paternos também eram muito ativos na “igreja”. Eles organizavam cultos escondidos para que os adventistas pudessem ter um momento de adoração aos sábados. Tudo feito em segredo. Enquanto o culto era realizado no porão de uma casa, uma criança era incumbida de “brincar” no quintal. Caso a polícia chegasse, ela deveria gritar alguma frase-código para que os adultos, no porão, se preparassem. Então as Bíblias eram escondidas dentro de massas de pão e colocadas para assar. Cada um começava uma atividade diferente, como se estivessem preparando uma festinha de aniversário.

Os “concílios” ou reuniões de planejamento eram realizados na casa do meu avô, pois era a última residência da vila. Assim, os pastores pegavam o último ônibus para a vila e se escondiam na floresta até que anoitecesse e pudessem entrar na casa do meu avô. Faziam a reunião durante a noite toda e, antes de raiar o dia, saiam e se escondiam na floresta novamente, até o horário do primeiro ônibus, para que então voltassem ao trabalho.

O que vocês faziam para ter os livros da igreja?

Como não havia livros de Ellen White disponíveis, cópias eram feitas a mão e a partir de raríssimos originais. Em 1965, meu avô paterno copiou o livro Primeiros Escritos. Todos os livros eram encadernados por ele com uma máquina que havia construído.

Quando o dinheiro foi suficiente para comprar uma máquina de datilografia, as coisas ficaram muito mais fáceis. Usando papel carbono, dez folhas podiam ser copiadas de uma vez. O trabalho era feito à noite para evitar suspeita. Minha avó estendia cobertores nas janelas para abafar o som, e ela datilografava com a máquina sobre um travesseiro e cobertores por cima de sua cabeça.

Depois as páginas eram distribuídas sobre uma mesa para que os livros fossem montados. Posteriormente, meu pai aprendeu a tirar e revelar fotos por si mesmo e começou a fotografar as páginas dos livros originais. Dessa forma, o evangelho poderia ser pregado mais rapidamente.

Os adventistas, especificamente, sofreram muito no regime comunista.

Sim. Quando meu pai era criança, havia o constante perigo de as famílias adventistas perderem seus filhos, pois os pais que não enviavam as crianças para a escola no sábado eram considerados inaptos e corriam o risco de perder a guarda delas. Por isso, meus pais foram à escola, mesmo no sábado, até completarem o ensino médio, caso contrário, seriam enviados a um orfanato. Mas meus avós ensinaram valores aos filhos, o que fez com que eles continuassem firmes.

Meu pai foi proibido de frequentar a faculdade, assim como seus irmãos, pois, mesmo tendo passado em todos os exames, “crentes” não deveriam ter nenhum direito. O mesmo acontecia com os melhores empregos. Na primeira vez que meu avô viu uma van cheia de Bíblias, quando os evangelistas americanos chegaram na década de 1990, ele chorou. Para ele, durante muito tempo isso pareceu impossível!

Hoje os adventistas podem distribuir livros livremente por lá?

Eles podem e o fazem. Na vila em que meus pais moram, eles distribuem livros regularmente. Mesmo com 77 anos e recursos escassos, meu avô compra vários livros, CDs, DVDs, e qualquer material da igreja para estudar e distribuir.

Há alguns anos, um amigo do meu avô disse que ele sentia que durante a perseguição os cristãos são mais dedicados. Ele lembrou que quando tudo era proibido, os adventistas arriscaram a vida para adorar a Deus. Mas o conforto trouxe certo marasmo à vida da maioria, fazendo com que muitos desanimassem ou mesmo desistissem diante de qualquer problema.

De que forma essas experiências moldaram você?

Elas me fortaleceram para vencer muitas tentações. Até hoje não consigo colocar a Bíblia no chão ou embaixo de outro livro. O sábado também sempre foi tão sagrado para mim que nem passa pela minha cabeça deixar de guardá-lo por causa de um emprego. Sobre os dízimos e as ofertas, aprendi que, mesmo com a crise, tudo o que recebo deve ser consagrado a Deus.

De que maneira a Igreja Adventista está enfrentando a atual crise na Ucrânia?

No leste da Ucrânia, onde vivi, a igreja é relativamente forte. Infelizmente, com a crise, os adventistas também estão divididos entre Rússia e União Europeia. Meus pais estão cuidando de quatro famílias que fugiram do leste do país, e essas pessoas, assim como milhões de outras, não têm nenhuma perspectiva de quando poderão voltar para casa. Conheço muitos que perderam filhos, pois bombas estão sendo jogadas sobre a população.

Eu não imaginava que uma barbaridade dessas poderia acontecer de forma tão abrupta. Mas isso só nos mostra que, mesmo em nossa época, a qualquer momento, nossa liberdade pode ser tirada. Sabemos que nosso tempo aqui na Terra está acabando. É hora de acordar da sonolência espiritual e viver o privilégio da liberdade em Cristo.


A psicóloga
Lana, como é chamada pelos amigos brasileiros, fez intercâmbio organizado pelo governo dos Estados Unidos, em 2001, e depois foi estudar no Newbold College, na Inglaterra. Formou-se em Psicologia e concluiu uma pós-graduação em Psicologia do Trauma e um mestrado em Terapia Cognitivo-Comportamental. Atuou durante oito anos na Inglaterra, numa clínica particular, e também numa prisão de segurança máxima, com criminosos perigosos. Além disso, trabalhou com terapia assistida por golfinhos, com crianças e adultos autistas e com paralisia cerebral. Foi também na terra da rainha que Lana conheceu Daniel Meder, na época estudante de Teologia. Casados desde agosto de 2013, o casal pastoral trabalha em Curitiba, PR.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails